SEARA DA CIÊNCIA


O Sol por dentro e por fora.

O Sol é uma estrela. Se você gosta de números, veja, na tabela abaixo, alguns dados sobre ele.

RAIO

700.000 km = 111 raios da Terra.

MASSA

1,99 x 1030 kg = 333.000 massas da Terra.

TEMPERATURA NO CENTRO

15 milhões de graus.

TEMPERATURA NA SUPERFÍCIE

5800 graus.

DENSIDADE MÉDIA

1,41 g/cm3 = 1/4 da densidade média da Terra.

Nessa seção, nosso interesse está restrito à chamada "atividade solar", fenômeno relacionado com coisas que acontecem na superfície do Sol. No entanto, para melhor entendimento, precisamos falar um pouco sobre o que se passa no interior dessa estrela.

A principal fonte de energia do Sol, e de qualquer outra estrela, é a fornalha de reações nucleares que se processam, continuamente, em seu centro, ou "núcleo". Essas reações foram descritas pela primeira vez, com detalhes, em 1938, por Hans Bethe. As condições extremas de temperatura e pressão nessa região central empurram os núcleos do hidrogênio uns contra os outros, convencendo-os a se juntarem apesar da forte repulsão que há entre eles, já que todos são positivamente carregados. Quatro desses núcleos conseguem se fundir em um único núcleo do elemento hélio. Essa reação, a mesma que ocorre em uma bomba nuclear, libera uma grande quantidade de energia. No centro do Sol, bilhões de bombas de hidrogênio estão explodindo continuamente. A pressão para fora que essas explosões exercem sobre a matéria contrabalança a pressão para dentro exercida pela atração gravitacional. Esse equilíbrio dinâmico no Sol já dura uns 10 bilhões de anos e deve durar mais outros 10 milhões de anos até que o combustível das reações, o hidrogênio, seja todo consumido. O que acontece depois disso está contado em nossa seção sobre A vida e a morte das estrelas.

A superfície do Sol, aquilo que a gente vê a olho nú, quando conseguimos olhar para ele, no crepúsculo, é chamada de "fotosfera". A "cromosfera" é uma camada em torno da fotosfera que só é visível durante eclipses totais do Sol. Rodeando tudo, existe uma espécie de atmosfera do Sol, a "coroa solar", também só visível durante eclipses ou através de um aparelho, o "coronógrafo", no qual a luz do Sol é bloqueada por um disco, criando uma espécie de eclipse artificial.

Tanto a cromosfera quanto a coroa são formadas, principalmente, de átomos de hidrogênio e hélio excitados pela forte radiação do Sol. Como é nessas regiões que acontecem os fenômenos que queremos descrever, vamos falar mais um pouco sobre elas, na próximo capítulo.


Capítulo 2: A cromosfera e a coroa do Sol.

Capítulo 3: Manchas solares, erupções e protuberâncias.

Capítulo 4: Os ciclos de atividade solar.

Capítulo 5: Efeitos da atividade solar na Terra.

Capítulo 6: Prevendo tempestades magnéticas.

Capítulo 7: A sorte de Karl Jansky, fundador da radioastronomia.

Capítulo 8: Observando manchas solares. Astronomia diurna.